terça-feira, março 31, 2009

POETAS ALAGOANOS



CICERO MELO

MATER LUDICA

Mergulhemos, menino, mergulhemos
Neste rio Mundaú, entre as pedras.
A Pedra de Bico e a do Afogado engolem,
Puxam nossos cabelos como uma sereia,
E nadamos no escuro das águas da vida,
Até chegar à confortável margem
E descansar nas coxas nuas e roliças
De nossas mães sonolentas e nossa imagem.

As coxas das mães nos dão retorno
Ao antigo rio no seio se compondo.
Para aquela misteriosa porta da vida,
Com que sempre sonhamos, quando
Saímos daquelas águas de pele macia
Para as águas dilaceradas pelos ventos,
E nossas mães nos aqueciam os dedos
No mais sagrados dos seus aposentos.

De minha mãe ainda guardo o cheiro antigo.
Quando chove e há relâmpagos e trovões.
Enrolo-me dos pés até a cabeça e sinto
O seu braço macio afugentando o medo.
A sua perna grossa sobre o meu corpo,
O regaço dos seus seios, cheios e fartos
Me faziam sonhar em outros rios, quando
Crescido retornasse, aventureiro, ás águas.

Era a recompensa por ter vindo de um sonho
Dela sozinha, pois os sonhos se dividem.
Nenhum homem a conheceu, nem um anjo,
Como acontece nas antigas escrituras.
Nenhum deus a tocou, já que partiram.
Nenhum homem a tocou, pois estão mortos.
Foi numa noite qualquer em que chovia
Que minha mãe sonhava e eu nascia,

Mas era tudo a semente das águas do rio
Em que nos banhávamos como peixes, nus,
Sem as escamas cortantes doutros peixes.
Minha mãe tinha a pele macia e tão suave
Que até chorava umas estranhas lágrimas
Que descia do seio em amoroso enfarto.
E chorava, menino, rápido, que a secasse
Com a minha língua infantil de um lagarto,

ENQUANTO ACORDAS...

Chove na moldura do tempo.
Quem ergueu a mão para criá-la?
As cortinas abraçam o vento
Um deus adormece na sala.
Um coração sempre se cala
perante a paisagem esquiva.
E a curva dos ventos abala
os caminhos da chuva viva.
A sede do deus trás a chuva.
O vento remove seus limites
de corpo colado à moldura.
Mas que desdém de chuva morta!
Um deus azul quer que o imites.
Desculpe: bateram à porta.

A PRIMEIRA FALA

E assim descobrimos o ponto morto
Do tempo ilhado em curvas e negro uivo.
Não há nada ordenado, tudo esboço.
Só a serpente espreita-se no escuro.
Nasceu uma mulher dessa cabala,
Desta mesma matéria que nos molda.
Detinha sua boca a voz sagrada
E proibida, mas de inversa roda
Gritou aos céus o nome que, falado,
Pode acordar o deus nunca desperto,
Toda sua crueldade e seu reinado.
Deram-lhe a solidão, o fecho eterno.
Decomposta em si mesmo, o ser danado
Abre o céu da serpente e nosso inferno

Abre céu do vácuo e a pele inexistente,
Do ser embrionário inda menino
Na moldura viscosa da serpente.
Doce abandono cego e sem destino.
Por ora, reina o fogo na montanha
Das águas que proferem a sentença
Ao deus insepulto em ova estranha
E no sêmen futuro da descrença.
Água seca, palavra seca e sede,
Vagina infantil, cloaca enorme,
É mãe sinistra que desenha a rede.
Neste momento incolor da água informe,
Uma muralha de luz uma parede,
Não deixa despertar o deus que dorme.

Um deus dorme, portanto, neste vinho,
Nesta paisagem, folhas e maduro
Fruto caído sobre o solo impuro.
A produção primeira, o casto linho.
O verme baixo a terra enlameada,
Na textura do tempo, na semente,
Sopro primeiro sobre o solo ardente,
Se transforma nas curvas desta estrada
Em que destilas o vinho do teu rosto,
Em que sobes do sonho para a vida.
E na escada subindo ou na descida,
A cada passo errado estás deposto.
O fundo é mais distante, velho amigo,
Se nem um deus de sombra andar contigo.

A ESFINGE

Se não te sinto luz, onde a candura
Das palavras bem ditas, bem formadas?
Nas minhas mãos, por ora, vejo estradas
Em traçados de cega agrimensura,

Se não te vivo em mim, vivo a loucura
Das palavras de amor incendiadas,
As taças da paixão dilaceradas
Na bacanal de sangue e de ternura.

Amor, amado amor, amargo amor,
Como dilacerar os teus mistérios,
Que me transluzem sonhos em torpor?

É muito tarde, meu amor impuro.
O sol já ilumina os cemitérios.
Voltarei amanhã, me crê, eu juro.

A TERCEIRA PELE

Procuro a carne da palavra adusta,
Aquela que insorvida se consome,
Aquela cujo selo cai à fronte
Das palavras irmãs e se incrusta
Nas pedras da razão, no verbo nômade,
No dedilhar de febres e de angústias,
No delírio senil da sombra rústica,
Longa noite de sal e medo insone.
Procuro a carne da palavra augusta,
Aquela que se eleve e se prolongue
Em mistério sutil, sedosa e onde
Repouse mar, celebração e bússola.
Procuro a carne da palavra morta
Que se aviva, me bate e me conforta.

A PRIMEIRA CANÇÃO DE CAIM

Vendo em mim mesmo o meu contrário,
Erguer-me as armas como um serafim.
Cansado do combate, agora agrário,
Revestindo de sangue meu jardim,
Só quero o dormir dos condenados,
Em terra escura, junto ao pó do irmão.
Apagados desta terra e vindimados
Por uma mão tirana e sem paixão.

Ainda nem dormira a minha espada
Do sangue dos que ferem minha casa
Quando uma voz descendo de uma escada
De sangue cintilante e voz em brasa
De pombos afogados me recordam
Os ossos dos meus medos. Meu irmão
Com rendeiras do tempo já me bordam
Coleante e sem sombras pelo chão.

Desperto o pesadelo, em nuvem vejo
Leviatã ascendendo desonesto,
E sempre escondido no desejo
Da eterna maré do grande incesto
Entre deuses e homens sob vinho.
E vomita curvas e nos afasta
Em separados orbes e torvelinho
Do tempo que assassina e nos arrasta.

Combato Leviatã no labirinto,
Recantos tortos desta escura guerra.
Até que um sol de fogo, fel e absinto
Com o sangue de Elias queime a Terra.

O VASO QUEBRADO

Tenho dentro de mim todas as mortes
e as lembranças em taças infinitas
se contorcem em sais e faces tortas,
entre sombras vinagres e vinditas.
As lembranças em laços se confortam
como anéis absurdos e insalubres.
Sangra o corte na tela decomposta,
estilhaços de mênstruo e mátrios úberes
Uma carga de morte em mim aborta
o dissoluto branco em pele negra
que, reflexo invisível, se dissolve
sem consorte, sem vórtice, sem espelho,
na paisagem proscrita do passado,
no tambor de um mundo condenado.

DAS NAVEGAÇÕES DO NOVO

I

Façamo-nos ao mar, aventureiros,
Que muitos são os cabos a vergar,
E a vida renovada de janeiros
Não carece de portos a arribar,
Porque sendo das horas marinheiros,
Sempre reinventando nosso mar,
Multipliquemos a vela solitária,
Que a vida só vigora quando vária.

II

Renascendo das milhas percorridas,
Sempre metamorfose, sempre nave,
Sejamos das correntes incontidas
Que modulam o peixe em ática ave,
Que fazem vivas trilhas pressentidas,
Do mistério do mar forjando a chave.
Contornemos, marujos, vis abrolhos,
Redescobrindo o mundo em novos olhos.

III

Timoneiros de chusma inane, enerve,
Descrente no bailar dos dias vãos,
Sejamo-lhes o sopro, ativa verve,
Que desova de vida as mortas mãos,
Aquele que no corpo frágil ferve
Revestindo de sins os nulos nãos.
Façamos do cansado nauta em dor
As rotas desvendar, navegador.

IV

Não navegar jamais rota abatida,
Mas sempre aquela em feto, indesvendada;
Aquela que buscas vem tecida
No profundo do ser, imaculada;
Aquela no casulo, ova contida,
Semente do amanhã, desabrochada.
Decifremos os dias no seu ovo,
Que a vida se constrói de rumo novo.

V

Sempre em febre e furor a cada instante,
Sempre redefinindo o itinerário.
Em lugar diferente e bem distante
A nau esteja em cada aniversário,
Navegando sem bússola ou sextante,
Sem astrolábios ou mapa ou calendário.
Sorvamos do vagar toda ventura:
Que só nos baste o mar por sepultura.

VI

Que de vagar a barba se embranqueça
E os revoltos cabelos virem cãs;
Importa-nos o azul sobre a cabeça,
O vento desvestindo as trilhas vãs.
Que a mente solta ao léu se fortaleça,
Permute lassas tarde por manhãs.
Que sendo estas do nauta as sãs ciências:
Não nos cubram os céus de condolências.

VII

Que a mente se arquitete em móveis ilhas,
Fecunde-lhes a forma em geometria,
Desenhe-lhes a fauna, as maravilhas,
A flora matizada em melodia,
Os córregos mutantes, livres trilhas,
Paisagem aleatória que procria.
Que se desfaz a vida no profundo,
Se o nauta tem a nave fixa ao mundo.

VIII

Que não se busque o nauta em recompensas,
Nem em seu desbravar rude aventura,
Que o sempre navegar de rotas tensas
Perfaz-lhe a honra mor que só perdura,
Iluminando a mente às noites densas,
Levando sua luz à trilha escura.
Posto que de maior que seja o feito,
Procura sempre o vulgo a ver defeito.


IX

Não sorver dos relógios o destino
De decantar o tempo eternamente,
Mas desenhar no peito o rubro sino,
Aquele que desperta a chama à gente
Cigana, em passo errante e desatino
De caminhar estrada tão clemente,
Pois, se vivemos nave solta ao léu,
Que nos bastem os vivos sob o céu.

X

Mas que nunca nos faltem sentimentos
De amar sem pejo, pena ou compaixão.
Só nos enriquecemos dos momentos
Que nossa nau desdobra o Cabo Não
Do viver, que, com todos seus tormentos,
Insano nos arrasta em aluvião.
Sejamos sempre sol de vária cor,
Contudo, em nosso mar, navegador.

CICERO MELO O poeta, ensaísta e crítico alagoano Cicero Melo escreveu os livros "O Verbo Sitiado", "Poemas da Escuridão" e "O Poema da Danação". Participou de várias antologias. É formado em Administração pela PUC/RJ, possui o First Certificate of the Cambridge University (Cultura Inglesa) e proficiência em Francês pela UNICO. Tem inéditos os livros "Por que os Unicórnios são Ocos?" e a antologia “Se Tupã quiser”. Edita o blog PEQUENA REUNIÃO POÉTICA. Veja o que diz dele o escritor Paulo Gustavo: "O poeta Cícero Melo, alagoano radicado no Recife, é, sem favor algum, um dos fortes poetas em atividade em Pernambuco. Como genuíno artista da palavra, nada tem de vulgar, nada concede ao fácil. Com ele renova-se o nosso melhor lirismo — em imagens, em musicalidade, em domínio de técnica. Sob esse último aspecto, é visível seu gosto pela métrica e de extremo bom senso o uso do verso livre com o necessário rigor que este merece. Foi o que fez desde mais jovem para abrir clareiras à melopeia que permeia a sua poesia. Ler e reler a poesia desse poeta tão inteligente quanto avesso à chamada “vida literária” é um permanente prazer. Deixo com vocês duas amostras, dois fragmentos de seu livro Poemas da Escuridão, publicado em 2001 pelas Edições Bagaço, no Recife". E mais outros poemas do poeta selecionados pelo escritor:

(Quem é esse que traz os pés cativos
À sentença de acasos e de meses,
Vago morto que aprende com os vivos?
Quem é esse de sonhos insepulto?)
Me perguntaram e neguei três vezes
Que era eu mesmo pelo mundo oculto.


VÊNUS FURIOSA


A semente do amor rebenta a chama
E transita de novo o ser amado.
Ardor de mar sem foz, torpor alado.
Mas se Eros te foge, o amor reclama.
É sedosa a casa de quem ama
E sedento o jardim do seu cuidado.


MOLDURA


Desce rumo à infância
A morte despertada.
Pó e pesadelo
Nunca envelhecem.


Veja mais:
GUIA DE POESIA
POETAS DE ALAGOAS

sexta-feira, março 20, 2009

O TRÂMITE DA SOLIDÃO



PAINEL DAS FÊMEAS

Luiz Alberto Machado

A mulher jaz do meu lado
E de mãos dadas
Somos finalmente felizes
Felizes além da vida
A vida pelo amor

A nossa consangüinidade sob a auréola da paixão
A pérola dela que mastiga meus pensamentos
E me atrevo chegar ao seu trono
Súdito sem cetro do seu querer
Inculto fiel da imagem dela

A quem seria dado a permissão de lhe desposar
Que plebeu afortunado alcançaria sua majestade
E renunciando um reinado
Seria apenas seu amante
Um rei destronado
Entronizado apenas pelo amor

A mulher jaz do meu lado

É quase de manhã
E a nossa distância cislunar
No que pese ser feliz

Ainda sinto seu cheiro quente
Seu repouso incólume
Depois da entrega dos corpos
Sem condenação inquisitorial
Sem gravidez rejeitada
Sem a perseguição de sicários

Dorme sem saber Heloísa
Sem a despedida de Tzvetaeva
Pelos vitrais dos sonhos
No prima de turmalina

A deusa mulher jaz do meu lado

Seu corpo modelado
Sua ferida santa e viva
Seu jeito grácil
O milagre da prodigalidade

Seu rosto belo
Feliz semblante de Thereza
A viúva bela
Mais bela sem par

Seu nome endereçado
O seu condão
O seu sexo desejado
Sua graça e seu feitio

A mulher jaz do meu lado
E insulto primeiro afeto
O seio embaixo da blusa
As mãos ungidas pelo prazer
A boca dos desejos que não se dizem
O corpo de tão puro recheio

- os maus pensamentos de Moliére repousam na minha cabeça

Minhas mãos resvalam e apalpo e enlevo
Pelo evasé de sua saia bandô

As coxas grossas
Roliças

A anca macia
A vulva
Fulvas redondas

Remexe o quadril a minha intemperança
A minha concupiscência

Hei de vê-la ferver no molde exato
A dar o que me falta

Coisa feita de coisas que não se dizem

Seu olhar lânguido na avareza do querer
Endemoninhando minha sede

Bebo na sua boca a água que me sacia
E me incendeia

Testemunho, portanto, seu poder de seduzir minha alma
Deusa Maceió

Invado sua maldita reclusa
Reclusa que detona o viço
E me engalfinho em seu esconderijo
Por suas peças íntimas
E intumescido e cheio
Me afogo
Bebo o seu rio
Mordo a sua carne

- sou seu canibal!!!

Índia pura
Seu corpo baila no meu Albertville

Achega-me
Sua chama me domina

A mira
O alvo
Tonta
E dança
Mais dança o meu coração

A dança do ventre de Sheyla Matos
Quando pudesse estimar o meu extermínio
E ela vem tão indomável quanto santa
A se despir

- um pênalti na pequena área do meu coração

E ela vem bulindo
Dinamitando meus sonhos
A se dissolver em mim

Com meu dedo na boca
E despejo a minha vida
E engole o meu sêmen
No centro do feitiço

Viúva alada
Dorso febril
E a febre e a cintura

Roço-lhe o esfíncter até Grafemberg
Na sua nudez Carolina Ferraz
Na penumbra ardente do seu ser

O seu gemido me extasia no movimento sensual
De Margret, de Durga, de Rachel
Das três uma de cabelos lisos em seu tamanho menor
Da geografia colada no vestido curto
No Delicate Sounds of Thunder

Aquela que faz valer a minha fantasia e desmaia

Oh! coreografia do prazer

Bundinha vai-e-vem

Viúva bela
Minha tenda de Maria Brown

Me enlaça e diz que sou a camisa dez do seu coração!!!

Me espera que eu contarei das aventuras
Ao me reabilitarem entre os vivos
E reinarei sobre sua volúpia
E derramarei meu esperma
E saltarei fundo na paixão

Vou dormir nos seus olhos
Com toda a minha agonia de ilha encantada
E cantarei a linda canção de amor de J. Alfred Pruckfork
E será lindo acordar com você do lado

A mulher jaz ao meu lado
Depois de um xeque mate no xadrez de Midleton
Sua meiguice sem pudor
No dever de sermos o protótipo dos deuses

Me acuda
São juras sinceras de um poeta vário e um verso lascivo

Amar não faz mal a ninguém

E ensaio versos pros seus olhos
Faço cantigas pro seu jeito
Rainha minha, rainha nua
Sequer suspeita que eu já morria
Enrubescido e despudorado
Com a cara e a coragem peculiares aos enamorados

Cadê você?
Pedi tanto prá São Lunguinho lhe encontrar
Logo jamais deixarei partir
Amando com voragem até saber
O feitiço do cogumelo de Alice
Que me rasga e me cura
E com todo ímpeto eu espero sem medo, viúva
Espero ver-lhe o talhe a alma o ser
Anestesiado na moita
Repousando às suas coxas
Na noite roxa e olhos revirando
No gemido de estar gozando
O prazer extremo

O átimo

O ápice
Da minha jugular aberta
Minha aorta infecta
De ser feliz deste lado
E do seu lado, viúva
Pra mulher que jaz
Agora aqui comigo.

VEJA MAIS:
O TRÂMITE DA SOLIDÃO
PRIMEIRA REUNISÃO
TODO DIA É DIA DA MULHER
CIDADANIA & FREVO NAS ESCOLAS

terça-feira, março 17, 2009

TCHELLO D´BARROS



Foto: Rafael Polly

TCHELLO D´BARROS - Exposições de artes visuais de Tchello d'Barros, realizadas em Maceió, agora no Youtube - As imagens em desenho, gravura, fotografia e instalação das exposições que o artista visual Tchello d'Barros* realizou em Maceió podem ser agora visualizadas no Youtube. Após um extenso trabalho de documentação, escaneamenteo, seleção e edição das imagens, as mostras de arte realizadas em instituições culturais de Maceió podem agora ser visualizadas na Internet. São sequências de imagens no formato de mini-vídeos onde os experctadores poderão conferir as diversas linguagens e conceitos que o artista utilizou para exibir as obras criadas e produzidas na capital alagoana, onde vive.

Depoimento de Tchello d'Barros: "A contemporaneidade, com suas novidades tecnológicas, instigam a nós, artistas, e a todas as pessoas que apreciam a arte, a se valer desses recursos para encontrar novas alternativas de mediação entre a obra e o expectador. No caso dessas exposições realizadas em Maceió, apesar de todo o empenho dedicado na produção das exposições, as instituições que abrigaram essas mostras receberam um público muito aquém das expectativas. Possivelmente porque não há na região um público formado para este segmento, o mercado de artes local é completamente informal e praticamente não há crítica espontânea e debates sobre a produção local. Então, os artistas movem céus e terra para conseguir realizar uma exposição, muitas vezes sem patrocínios da iniciativa privada, muito menos com apoio oficial, já que não temos editais municipal nem estadual para fomento e estímulo à pesquisa e desenvolvimento de projetos nas artes visuais. Ao final, constatam que um público muito limitado teve acesso à mostra. Daí essa idéia, talvez pioneira em Alagoas, de retomar as mesmas exposições, agora no âmbito virtual, onde as conotações de tempo e espaço tomam outras dimensões. Se uma pessoa não pode ver tal exposição em determinada instituição cultural, no período em que esteve exposta, pode ver agora as mesmíssimas imagens, a qualquer hora, em qualquer lugar, e ainda interagir com quem criou os trabalhos. Outras exposições, inclusive os trabalhos inéditos podem ser também conferidos em formato de álbuns virtuais, no perfil do site de relacionamentos Orkut. No entanto, apesar da veiculaçãos destas criações na web, pretendo continuar a realizar exposições físicas, acho que esse ainda é o contato mais genuíno e legítimo com uma criação visual."

*Tchello d'Barros, morador da praia de Pajuçara, é artista visual e escritor. Publicou cinco livros de poemas e diversos cordéis. Realizou exposições Brasil afora, ministra oficinas literárias e participa do Colegiado de Artes Visuais Minc/Funarte.

OBRAS:


"E O Verso Se Fez Carne" (And Then The Verse Turned Into Flash) Fotografias 2004 - Exposição de 40 fotografias P&B no espaço de exposições do Hotel Ponta Verde. Evento integrante do VI COSU Congresso de arquitetura realizado pelo IAB-AL. Maceió/AL



"Estesias Espirais" (Aesthesis Spirals) Gravuras 2004 - Exposição de 16 gravuras no MISA - Museu da Imagem e do Som de Alagoas - Maceió/AL



"Relevos Revelados" (Revealed Reliefs) Gravuras 2004 - Exposição de 24 gravuras no MISA - Museu da Imagem e do Som de Alagoas - Maceió-AL



"Espelhos Oníricos" (Dreaming Mirrors) Fotografias e Gravuras 2005 - Exposição de 24 foto-gravuras no Espaço Cultural do Sebrae/Jaraguá - Maceió/AL



Arquitetura do Inefável" (Unspekable Architecture) Gravuras 2006 - Exposição de 24 foto-gravuras na mostra Graphos & Chromos na Galeria do Sesc Centro - Maceió/AL



"Pontos Convergentes" (Converging Points) Desenhos de Mandalas 2006 - Exposição de 50 desenhos na mostra Graphos & Chromos na Galeria do Sesc Centro - Maceió/AL



"Labiríntimos" (Labyrinthimates) Gravuras 2006 - Exposição de 30 gravuras na Galeria EBEC - Salvador/BA 2007 - Exposição de 30 gravuras na Casa da Arte - Maceió/AL

"Convergências" (Convergences) Poesia Visual 2006 - Exposição de 30 poemas visuais no NAC - João Pessoa/PB 2007 - Exposição na Galeria de Artes do Senac - Maceió/AL 2007 - Exposição no MISA - Maceió/AL 2008 - Exposição no Hotel Viena Park - Blumenau/SC

Mais informações: (textos, fotos, imagens) Tchello d'Barros (0..82) 8857-1967 tchello@tchello.art.br

VEJA MAIS:
GUIA DE POESIA
TODO DIA É DIA DA MULHER

sexta-feira, março 13, 2009

O TRÂMITE DA SOLIDÃO



Imagem: Bruna I, de DDiarte, fotógrafos madeirenses Zé Diogo e Diamantino Jesus.

O CULTO DA ROSA
(canção à flor, mulher amada)

Luiz Alberto Machado

Era uma vez e o tempo presente nos prazeres tardios, ah minha alma da vida inventando horizontes, rainha das flores de Safo se desmanchando em doçura nua com seu buquê de açucena na pele quente que semeia a beleza e acode a minha alegria.

Era uma vez, duas vezes com todo encantamento da sua nudez que enche a maré de suspiros apertados e eu sentinela viro o inseto que leva o grão de pólen como o pombo com as águas de céu e inferno para ser o adepto mais fiel do seu coração beija-flor.

Era uma vez, duas, três vezes e ela nua bole e eu mexo o flagrante anímico de Deus, tiro o doce e deixo o leite na herbácea perene, deusa dos meus sonhos, perfume mais fino que possa existir no teor mais metafísico dessa imanência.

Ah e dela sinto o mais leve olor ao alcançar o gineceu de beleza incomparável, de variedade trepadora na instalação do etéreo emanar na manhã e divina de jardim perfumado de desejo.

É ela que me leva pelo aroma da de Sharom, a santificada por Salomão no Cântico dos Cânticos.

É ela que possui a realeza da de Hélios e a das sessenta pétalas dos jardins de Midas que figuraram nas armas dos heróis da guerra de Tróia.

É ela que vem de sobra e fartura no meu verso aprumado com as que desapareceram dos jardins suspensos da Babilônia, como a das águas que Vênus embalsamou o corpo de Aquiles, como a que coroou o soldado romano depois da queda de Cartago.

É ela nua que vaza e faz paga como quem deve com toda a essência da que é Príncipe Negro, o negro que é vermelho bem escuro.

É ela destinatária de tudo que vem se aninhar em mim com o cheiro da santa de Viterbo, como a que fora proibida pelo pai de dar esmolas aos pobres.

É ela nua radiante que me retém com o incenso da Chá, Sinensis, a mais antiga oriunda da China, como a Azimutal Sideral que auxiliou a navegar o Índico sob as estrelas de distâncias polares no rumo do horizonte.

É ela que me detém com jeito atrevida e nua como a seiva da dos gregos, nos rumos da Torre dos Ventos, chamada Rhodon, ou como a Rústica de Giulio Cesare Cortese; ou como a que o lapidário inspirado homenageia a Holanda ou Antuérpia pra encher os olhos do polidor de diamantes.

Ela que vem nua e linda como a Mística, como a santificada de Isabel, como a Santa-Maria, como a da chuva do Vaticano, como a das meninas recém-nascidas.

Ela que vem nua e linda com todas as honras de rainha para que eu, Tagore inflamado, saiba: "passando de folhas para flores porque começaram a amar..."

É ela nua e linda que vem se aninhar em mim com o orvalho da do Ouro do Papa Gregório II; como a da Rainha Josefina, como a das pedras no quintal, como a que o rodólogo, exímio amante, multiplica com sua dedicação.

É ela que nua e linda vara as noites no nosso proscênio de gestos fartos, com toda a sedução da Azul utópica, como a de Hildesheim, de mil anos, como a da guerra de York e Lancaster, como de Joaquim Fontes que está comigo.

É ela que vem no olho do furacão acontecendo nos meus dias como a Gallica, de propriedades medicinais; como a de Malherbe, como a dos tesouros da moura encantada que não desmente o que promete nem retoma o que dá.

É ela que me oferece toda safra de algodão dos seus mimos com a graciosidade da Malvácea Aurora em sua metamorfose durante todo o dia até sabê-la Amor-de-Homem.

É ela inquieta e nua que não cessa nem sacia a enchente do meu gozo com toda a maravilha da Brinco-de-Rainha, como a Malva, como a Super-Star, como a do monte dos Alpes, como a Altéia que me cura com seu amor e ainda me farta a fome, a Geléia Rosela, a Caruru Azedo.

É ela que acontece na peleja e me detém no truque de toda formosura da de Lima, a primeira santa nativa do continente americano, simples deidade peruana.

É ela com toda teimosia de carnaval na manhã clara que me enfeitiça como a de Bokor e a jovem princesa apaixonada pelo oficial japonês no extinto cinema cambojano.

É ela que me embriaga como a da cachaça com erva doce, canela em pau, cravo e calda grossa de açúcar: a do Sol.

É ela que me seduz como a dos ventos do lirismo erótico da poetisa uruguaia Juana Hernandez de Ibarbourou, a Juana de América.

É ela que me deixa ao deus-dará como a de Yeats, o homem que sonhava com o país das fadas e escrevia versos para quando ficar velho.

É ela que se enrosca roçando a minha pele como a acetinada de Engandi, nos versos que viraram estudo psicozoológicos do guatemalteco Arévalo Martinez.

É ela a de Cem Folhas do poeta galego Ramon Cabanillas, a da Cruz do poeta russo Blok, a de Luxemburg com o sonho abatido à bala.

É ela a do Povo de Drummond, a de Raoom, a rosa rosa, todas numa só que é uma só: a rosa é ela.

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados.

VEJA MAIS:
O TRÂMITE DA SOLIDÃO
PRIMEIRA REUNIÃO
TODO DIA É DIA DA MULHER
LUIZ ALBERTO MACHADO NO CALDEIRÃO DO HUCK

quinta-feira, março 12, 2009

POETAS DE PERNAMBUCO



MARIANE BIGIO NASCIMENTO

O SEIXO ENCANTADO

(1)

Pelo ir e vir das ondas

Depois de seca a maré

Um seixo esverdeado

Encrustrou-se em meu pé

Qual formoso e brilhante!

Será pedra ou diamante?

Chegou a cegar-me, até!

(2)

Revolto o Mar cresceu

Intentava me engolir

Afastei-me de um salto

Seu rancor eu pude ouvir

Eu roubara um tesouro

E tão forte qual um touro

Vinha ele me extinguir

(3)

- Grande Azul! sou filho teu!

por que queres me matar?

Dou-te flores em dezembro

E a ti venho louvar

Uma pedra, tão pequena

Perdoai – me! Tenha pena!

Mas com ela irei ficar

(4)

Tive um sonho em que usava

Um colar cujo pingente

Era esse seixo verde

Que reluz tremendamente

Garantiu-me muita sorte

Fez-me o homem mais forte

E o mais inteligente

(5)

Avistei uma jangada

A dez braçadas dali

A mim se oferecia

Fui a ela, não temi

Toras de madeira bruta

Naveguei ´té uma gruta

Dentro da qual me meti

(6)

E ali estupefato

Eu olhava o local

Tanto brilho! Tantas cores!

Nunca vi nada igual

As paredes e o teto

Tudo de seixos repleto

Oh! Visão celestial!

(7)

Foi então, caros amigos

Que a gana dominou

Sem pensar, recolhi outros

O que eu tinha não bastou

Quando, tarde, dei por mim

Pensei : este é meu fim!

A jangada o Mar levou

(8)

E como achasse pouco

Algo mais aconteceu

As paredes se racharam

Tudo ali estremeceu

Grandes blocos despencaram

E à passagem cercaram

Para desespero meu

(9)

Eu fiquei ali sozinho

E quase sem enxergar

Não fossem as tais pedrinhas

Que teimavam em piscar

Quando ouvi um leve canto

Cessou todo o meu pranto

E me fez regozijar!

(10)

O coro se aproximava

Na água um farfalhar

Eram vozes femininas

Em um tom mui singular

O seu canto era um conto

Que narrava o confronto

Entre os homens e o Mar

(11)

- Nós somos as moças d´água

Somos filhas d´oceano

Nosso pai há muito sofre

Com o poluir insano

Roubos e exploração

Que causam degradação

Por parte do ser humano

(12)

Enquanto cantarolavam

As moçoilas sinuosas

Arrancavam uma dupla

De pedrinhas bem lustrosas

E eu a mim perguntava

O que ali se passava

Com as belas escamosas

(13)

Cada uma com um par

De seixinhos delicados

Colocaram-nos nas faces

Onde foram fixados

- Todas cegas, somos nós

Disseram a uma voz

Os olhos iluminados

(14)

E assim me explicaram:

-Nós apenas enxergamos

Quando pares dessas pedras

Da caverna retiramos

Os homens, sim, as usurpam

E as ondas as deturpam...

E cegas nós definhamos!

(15)

Todo dia ao pôr-do-Sol

Nos chegamos a nadar

Apanhamos nossos “olhos”

Nossas pedras de “enxergar”

Devolvemos na aurora

Ansiosas pela hora

De, enfim, poder voltar

(16)

“É só um pequeno seixo”

Podes tu até pensar

Mas se todos o fizerem

Qual! Nenhum há de restar!

Será sempre escuridão

Não teremos mais visão

Eterno lamuriar

(17)

Eu senti-me tão malvado

Achei-me entristecido

Fiz sofrer tão belos seres

Filhas desse Mar querido

Mas lembrei-me do colar

Pus me logo a chorar

- Ai meu Deus estou perdido!

(18)

Eu lhes falei do meu sonho

Do colar que eu queria

Senti ser o meu destino

E usá-lo deveria...

Só assim o meu futuro

Não seria obscuro

Sim repleto de alegria!

(19)

Uma moça então me disse

- Caso resolvas manter

Uma pedra só que seja

Certamente irás morrer

Nosso pai é vingativo

Teu futuro é negativo

Se tu não a devolver

(20)

- Eu cá tenho uma idéia

Disse uma das mocinhas

- Tu farás o teu colar...

Chega dessas ladainhas!

Mas em cada Sol poente

Solte-o bem na corrente

Onde nadam as tainhas

(21)

Pelo pai nós te juramos

E Em cada Sol nascente

Terás o teu seixo verde

Voltando pela corrente

Mas tu tens de prometer

Além disso,proteger

Nosso Mar e nossa gente

(22)

Falarás aos conterrâneos

Que as águas são sagradas

Não permitas nossa flora,

Nossa fauna, depredadas

Tu serás um guardião

Barrarás qualquer ladrão

Nos deixando descansadas

(23)

Eu, é claro, assenti

Apesar de atordoado

Estava muito ciente

Do que havia acordado

Eu garanti devolver

A pedra no entardecer

E do Mar ser um soldado

(24)

E assim aconteceu...

Fui morar perto do Mar

Sentindo a brisa fresca

Nas manhãs, ao acordar.

Ali fiz o meu plantão

E por tudo, qual um cão

Eu me punha a zelar

(25)

O seixo (se) ia e vinha

Por aquela correnteza

Nosso trato foi cumprido

Disso tenham a certeza

O colar me fez feliz

Não do jeito que eu quis

Mas segundo a natureza

(26)

Com uma das moças d´água

Finalmente me casei

Num barquinho carregado

De flores que cultivei

Pelas tardes nos amamos

Quase sempre celebramos

O dia que a desposei

(27)

Sempre quando é Lua cheia

Na praia nos agrupamos

Fazemos a grande roda

E pelas mãos nos ligamos

Um canto a entoar

(a fogueira a crepitar)

E juntos nós cirandamos...

* pedrinha, oiá, pedrinha,

pedrinha do meu colar

teu brilho cegou-me os olhos, pedrinha,

lá no fundo do Mar...
** Iaiá me dá teu remo

teu remo pra eu remar

meu remo caiu, quebrou-se Iaiá,

lá no alto do Mar...

pedrinha, oiá, pedrinha...

*versão autoral.

**versão original da ciranda de domínio público.

A MÃE QUE PARIU O MUNDO

(1)

Essa história é contada

Pela crença popular

Duma vila abandonada

Na Estrada do Pilar

Da cidade de Tetéu

Distrito de Cachumbá.

(2)

Antes era o universo

Um vão negro de dar dó

Tinha nada, só estrelas

Feitas de brilhante pó

Espalhadas pelo Vento

Que então reinava só.

(3)

O Senhor do Infinito

Cansou da escuridão

Teve idéia de fazer

A grande rebelião:

Roubou uma das estrelas

E a pôs em sua mão

(4)

Disse: estrela!oh, estrela!

Me cansei de ser sozinho

Nem o Vento é meu amigo

Pois é rei e é mesquinho

E também cansei do preto,

Que enegrece meu caminho

(5)

Sou Senhor do Infinito!

Quero muito colorir!

O universo é a tela

E de ti há de surgir

A mais prima obra-prima

O Mundo irás parir!

(6)

Nessa hora, emocionado

O Senhor lacrimejou

Uma água doce , cálida

Pela face lhe rolou

Pranto-sumo, seiva bruta

À estrela alimentou.

(7)

Esta fez-se então mulher

Com os seios volumosos

Com as ancas abarcantes

Os quadris voluptuosos

Já no âmago levava

Os pinguinhos preciosos...

(8)

O choro fertilizante

Já a tinha invadido

O seu corpo estremecia

Totalmente possuído

Por prazer e por torpor,

Por um caos enternecido.

(9)

A estrela-mulher feita

Adornou a sua testa

Com as flores lactosas

Das galáxias em festa

Recolheu-se a um canto

Pra tirar a sua sesta

(10)

Bem longe da proteção

Daquele que lhe criou

Ela descansava leve

Quando o Vento a rondou:

Sinto falta duma estrela

Acho que Ele roubou!

(11)

Amaldiçoada seja,

Tua cria ao nascer!

Vejo brilho no teu rastro!

És estrela, posso ver!

No Mundo que vai chegar

Vis desgraças hão de ter!

(12)

O Senhor ao escutar

Acudiu em seu favor

Fez do Vento simples brisa

Pra soprar quando calor

Acalmou a prenha-astral

E beijou-lhe com amor.

(13)

[Aliás, o sentimento

Que acabo de citar

Foi apenas nomeado

Muito tempo após chegar

A tão esperada cria

Como logo vou narrar...]

(14)

O feto desenvolveu-se,

Era grande e saudável,

Tão redondo e pulsante!

E a mãe de tato afável

Acarinhava a barriga

De maneira muito amável

(15)

De repente houve um estrondo

A mulher soltou um grito...

Uma água caudalosa

Pingou do ventre contrito

Cheia de sal e de vidas

(Eis o Mar aqui descrito)

(16)

Logo após a enxurrada

veio então a dor imensa

pois o sólido doía

de maneira muito intensa

a mulher acocorou

fez dos braços uma prensa

(17)

[uma música ao longe

começou-se a escutar...

canto lúdico entoado

uma flauta a tocar

o Senhor entrou em transe

começando a meditar]

(18)

E ao mesmíssimo tempo

que a mulher empurrava

quanto mais forte a dor

mas a música aumentava!

E uma ponta de luz

do seu sexo emanava.

(19)

Finalmente um grito mudo.

Era um “ai” do coração

Uma gota de suor

Gotejou na imensidão

E o Mundo foi expulso

Com enorme profusão...

(20)

As cores se misturavam

Água e terra se fundiam

Com o fogo e o ar

As vidas verdes cresciam

Do mar apontavam bípedes

Caminhantes, que caminham

(21)

A mulher aliviada

Ali mesmo adormeceu

Com o peito apertado

Que nem ela entendeu

Queria afagar o Mundo

Tê-lo sempre ao lado seu

(22)

Era o Amor que ali nascia

Com tamanha intensidade

Aliou-se à Alegria,

Ao Respeito, à Verdade,

Ao Carinho, ao Cuidado,

Calma e Serenidade.

(23)

Aliou-se às Virtudes

Que em verdade brotavam

Dos seios da Mãe do Mundo

(e) as bocas dele sugavam

o Leite cheio de Bem

e assim se saciavam

(24)

O Senhor , pra terminar

sua imensa aquarela

fez com a ponta do dedo

mais uns pontos nessa tela

fez o Sol, astro maior

bola de fogo-amarela

(25)

E assim o Mundo segue

com o Mal e com o Bem

pois a maldição do Vento

fez-se fato aqui também

mesmo que sua mãe vele

a tristeza vive aquém

(26)

Brisa negra ainda sopra

dentro do ouvido humano

empoeira corações

e sobre a paz joga um pano

faz a guerra olho a olho,

Dente a dente, mano a mano.

(27)

Quase ao fim, urge lembrar

O Mundo é bom em essência

Fruto de vontade pura

Colorindo a existência

Foi nutrido com o líquido

Da bondade em excelência

(28)

Há desgraças é verdade

Mas há muita alegria

Seus filhos conhecem dor

Mas o Amor em primazia

Reina no fundo do ser

Em cada um, cada dia.

(29)

À mulher que aqui me pôs

Dedico essa poesia

Ela em muito se parece

Com a mãe que eu descrevia

Fato é feita da brancura

Do Leite que escorria.


(30)

Com ele me amamentou

Me cuidou, me fez sorrir

Fez chorar e fez calar,

Levantar após cair

Me mostrou o alicerce

Para a vida construir.

(31)

Já vou acabando então

Versando assim o que sinto

*Entrou na boca do pato
Saiu na boca do pinto

Pra terminar quem quiser

Se vire e conte mais cinco!

MARIANE BIGIO NASCIMENTO – A poeta pernambucana Mariane Bigio Nascimento faz parte da UNICORDEL e do Vozes Femininas, ao lado de Cida Pedrosa, Silvana Menezes e Susana Morais. É estudante de Rádio e TV da UFPE e edita o blog/programete Pois é, Poesia que é transmitido todas as sextas-feiras, por volta das 8:30h da manhã pela Rádio Universitária FM, durante o "O Som do Brasil", um espaço para a divulgação da produção poética, com a leitura de versos e informações sobre os autores.

VEJA MAIS:
POETAS DE PERNAMBUCO
GUIA DE POESIA
TODO DIA É DIA DA MULHER

terça-feira, março 10, 2009

DIA DA POESIA & TATARITARITÁ

POESIA AO PÔR-DO-SOL - Em comemoração ao dia da poesia (14 de março) haverá um encontro de poetas com poesia ao vivo curtindo o belo pôr-do-sol da Ponta Verde, em Maceió, no dia 13 de março (sexta-feira) a partir das 17 horas na Barraca Pedra Virada. É um encontro informal promovido pela Academia Alagoana da Boemia e a Rádio Difusora de Alagoas. Todos terão espaço para recitar seus poemas e os poemas de todos os poetas. O encontro não é exclusivo aos poetas, é para quem gosta de poesia. MAIORES INFORMAÇÕES: CARLITO LIMA 9981.0199 carlitoplima@uol.com.br

DIA NACIONAL DA POESIA – FUNCARTE/ NATAL – RN - Capitania das Artes 12/03- Quinta- feira 08h- Oficina Poética- SPVA-RN/ Público: alunos- Biblioteca Esmeraldo Siqueira- Funcarte 14h- Oficina Poética- SPVA-RN/ Público: alunos- Teatro Jesiel Figueiredo- Funcarte 19h- Confraternização Orla Sul- Grão Café 13/03 07h30- Café Poético- Funcarte com Rodrigo Bico, Zé Saldanha, Harlane, Paulo Dumaresq 09h- Lançamento do Edital- Concurso Othoniel Menezes- Homenagem aos poetas Nei Leandro de Castro e Volonté com Plínio Sanderson-Funcarte 10h- Cordelista Acaci 11h- Mesa Redonda- Auditório: Novos caminhos da Poesia Potiguar 12h- 13h30- Feijão e Poesia ( Sesc e SPVA)- Almoço no Sesc- Av. Rio Branco. "Poesia nos Ônibus- recital e distribuição de poesias"- com a SPVA- Zé Martins e Dean. Tarde- LARGO DO MUSEU 16h- Grafitando Poesias Tropa Trupe- Exposição Galeria do Povo- Recital de Poesias no LARGO DO MUSEU 16h30- Recital com Eduardo Gosson, Mário César, Harlene, Rodrigo Bico, Valério Mesquita. Shows: Mirabô Dantas, Poetas Elétricos, Carcará na Viagem, Repentistas (Amâncio Sobrinho), Hip- Hop, Agregados Família do Rap. Noite- Bardalos 22h30- Show com Wescley Gama 23h- Sopão das Letras- Recital de Poesia 14/03- Sábado Intervenções Poéticas- Contadores de Histórias "Era uma vez"- Zona Norte Ponta Negra 14h- Arrastão da Poesia com ônibus- Saída: Funcarte para Ponta Negra 16h- Zé Martins e poetas da SPVA Tropa Trupe 17h- Show Isaque Galvão e Igor Dantas ( Cartola a Romildo Soares) 18h30- Show da Estratégia (Hip Hop) e Priguissa. Fundação José Augusto- 14 de Março/ Sábado 08 h – Alvorada poética – Fortaleza dos Reis Magos 10 h 30 min – Lançamento do balaio poético – Calçadão da João Pessoa - Arte Viva / Santa Cruz Beco da Lama 12 h – Feijão poético com grupo Sonorozinho – Bar de Nazaré 12 h 30 min – Lançamento da Edição nº. 20 da Revista Preá 14 h – Show e recital com Izaias Gomes 14 h 30 min - Tribuna Livre 16 h – Show com Raul (Alcatéia Maldita) 18 h – Show de Allan Sales e Miró – PE 19 h – Recital de Antonio Francisco – RN 20 h – Show de Jessier Quirino e banda.- PB

DIA DA POESIA - II Semana da Poesia - Rio de Janeiro - 13 a 21 de março com uma série de eventos comemorativos, saraus tradicionais e lançamentos de poetas contemporâneos. A Abertura da Semana fica por conta do pessoal da Oficina de Literatura Cairo Trindade, com o lançamento da HIPER antologia, da qual faço parte também. Será uma hiper festa, no Cinematèque em Botafogo,numa sexta-feira 13, véspera do Dia Nacional da Poesia e aniversário de Castro Alves. Programação completa em: www.semanadapoesiario.blogspot.com ou www.almadepoeta.com/segundasemanadapoesia.htm informações: semanadapoesiario@gmail.com

FESTIVAL DE POESIA DE VARGINHA – Estão abertas as inscrições do Festival de Poesia de Varginha que acontece dia 20 de Junho em Varginha. As Inscrições vão até 22 de maio de 2009. FESTIVAL DE POESIA FALADA DE VARGINHA 2009 20 de Junho de 2009 às 19 Horas no Teatro Marista Mestrinho em Varginha, Sul de Minas Gerais. “Festival de Poesia Falada de Varginha” – Rua Ivan de Souza – nº 35 – Jardim Bela Vista Varginha – MG Cep: 37.014.750. Maiores Informações sobre o Festival podem ser adquiridas pelo fone: (35) 3222-9016/ 9813-5320/ 9967-6998/ 9161-2285. A COORDENAÇÃO Tadeu Terra, Lindon Lopes e Marcos Misael Rua Ivan de Souza, nº 35 - Jardim Bela Vista. - Cep: 37014-750 - Varginha/MG Fone: (35)3222-9016 Celulares: (35)9967-6998/ (35)9813-5320/9161-2285 E-mail: festivaldepoesia@yahoo.com.br

ENREDA TRÊS - performances de artistas em diversas linguagens, em poesia: Jackson Sala (apperjiano) - Grávidos virgens. Dias: 11, 19 e 27 de março, 14h, SESC Rio de Janeiro, Sala 3 - cobertura, Rua Teixeira Franco, 38, Ramos. Entrada franca, curadoria: Danielle Lopes. Mais informações pelo e-mail: jacksonsala@yahoo.com.br Acesse www.oficinaeditores.com.br/roteiro.htm e descubra a poesia Brasil afora, são mais de 60 cidades-poemas. Sérgio Gerônimo Editor-chefe OFICINA Editores www.oficinaeditores.com.br

VEJA MAIS:
GUIA DE POESIA
TODO DIA É DIA DA MULHER

sexta-feira, março 06, 2009

O TRÃMITE DA SOLIDÃO



Imagem: pintura de Amedeo Modigliani.

PUTA

Luiz Alberto Machado

Não sei tua cor,
Minha sacerdotisa egípcia,
No transe hipnótico da dança do vente

Não sei o teu nome,
Minha cúmplice da noite,
Em todos os alcoices, bordéis e lupanares de hoje

Prá quê saber disso,
Minha ilha ninfa,
Já que me vanglorio por ter estado em teu corpo por mais de milhões de vezes?

Os homens nominam tudo,
Minhas encantada Aspásia,
Não sabem o prazer do inominável
Pra mim tudo teu,
Minha Semíramis do trono da babilônia,
Cantada apaixonadamente por Valery,
Me é importante

És minha índole fenícia
Em especial atenção por moças bem feitas de corpo

És minha Nefertiti,
Deusa mulher de longa cauda a me deixar absorto

És minha Messalina
Da língua que me envolve todo

Minha Cleópatra
Dos desejos desenfreados
Minha Jesabel, Prostituta de Tiro
Minha mucama das ancas voluptuosas
Minha pajem da boceta gostosa
Minha gueixa trepadora
Minha meretriz devassa
Minha freira sedutora
Minha rameira de pernas abertas
Minha puta, puta minha

Sou teu rio a desaguar
E o teu cinto de Afrodite a me entorpecer

Sou teu Baal és minha Anat,
Concubina minha,
E me sacias ao se jogar na noite

Vou usurpar o teu cofre com a chave exata
Enquanto um de teus olhos me desnuda
E um outro me abre fendas
Uma de tuas pernas me agarra
Uma outra me chuta de lado

E quando te saciar, serei teu Sansão
Serás minha Dalila, a mulher do vale de Soreque

E mesmo que me envolvas os sete tendões frescos ainda secos, esporrarei nas tuas entranhas com o que há de melhor em mim

E mesmo que me aprisiones com as cordas novas que não há de ter feito obra alguma, te esfolarei por trás, égua minha, até os grunhidos máximos da dor e do prazer

E mesmo que teças as sete tranças da minha cabeça com urdidura de teia e firmá-las com pino de tear, empurrarei na tua boca o meu sêmen para engolir tudo que for meu até nada sobrar

E mesmo que me raspes as tranças
E mesmo que me subjugues
E me vaze os olhos
E me prenda com duas cadeias de bronze
E mesmo que eu vire um moinho no cárcere
E te sirva de diversão
Mesmo assim lamberei e chuparei teu tesouro imaculado até que desfaleças inteira ao meu lado
E meu cabelo novamente crescerá e apalparei tuas colunas
E te derrubarei
Te emprenharei na sepultura entre Zorá e Estaol
No sepulcro do meu Pai Manoá
E serás eternamente minha mulher
Puta minha
Mulher

VEJA MAIS:
8 DE MARÇO – DIA DA MULHER
O TRÂMITE DA SOLIDÃO
PRIMEIRA REUNIÃO

quinta-feira, março 05, 2009

TODO DIA É DIA DA MULHER: JULIANA PAIVA



DESTAQUE - ESTUDANTE DA SEMANA: JULIANA PAIVA – a linda jovem Juliana Paiva, ou simplesmente Jhulis, tem apenas 18 anos e é uma leonina cearense de Sobral, estudante de Mecatrônica Industrial. Tenho 18 anos.

Ela é simpaticíssima e se diz sonhadora, além de se dizer de si mesmo como contagiante, apaixonante, talentosa e nada modesta. Coisas de leonina que sabe o que quer e diz. Também adora uma diversão, mas prefere sempre a calmaria.

Para identificar melhor o seu perfil, ela concedeu esta entrevista para você melhor conhecer esta figuraça.



LAM - Juliana, vamos começar pelo lugar que você nasceu: o que você acha do lugar onde nasceu? É só uma lembrança ou tem importância e faz com que você se orgulhe do lugar onde nasceu?

Sobral além de ser uma cidade linda, é muito organizada e tranquila.
É mais que uma lembrança, é um modo de vida.

LAM - Qual a importância da familia para você? Seus pais acompanham e dialogam com você? E seus irmãos e parentes?

A minha família é tudo para mim.
Meus pais são separados, mas mesmo assim nunca deixaram o assunto deles enterferir na minha vida e na do meu irmão.
Tenho um irmão chamado Ricardo. Ele tem 19 anos. Também faz faculdade. Nós nos damos muito bem.
Tenho vários primos e tios, mas considero 2 pessoas em especial. Natasha e Miúcha. A Natasha é minha prima por parte de pai, mas é como se fosse minha irmã (é uma verdadeira fraterna), e a Miúcha é minha tia, irmã do meu pai, mas por ela ser um ano mais nova que eu, também se tornou uma irmã p/ mim.



LAM - O que você pretende ser e alcançar profissionalmente na vida? Você tem algum objetivo na vida?

Pretendo ser reconhecida pelo meu trabalho. Quero ser uma pessoa importante na sociedade.
O meu objetivo é fazer doutorado na Europa, e poder retribuir tudo em dobro para os meus pais, pois eles batalharam muito para que eu e meu irmão sempre estudassemos em escola particular, mesmo as vezes não podendo.



LAM - O que você espera da vida? Você espera um milagre ou está pronta para batalhar pelo que deseja e anseia?

Eu não espero nada da vida. Sei que tudo que a gente anseia, primeiro temos que lutar para conseguir, nada vem de graça.
Eu estou pronta para lutar por aquilo que eu acredito ser o melhor para mim, mas também estou pronta para ouvir o que Deus tem para me oferecer, pois não só depende da minha vontade, em primeiro lugar, depende da vontade de Deus, pois Ele sabe o que é o melhor para mim, eu só faço idéia.



LAM - Quais as suas principais preferências musicias, nutricionais, sociais e pessoais? O que você gosta de fazer nas horas vagas?

Gosto muito de MPB, especialmente Jorge Vercilo, mas também curto músicas gospel, sou evangélica.
Sou chocólatra. Gosto muito de doces.
Gosto de conhecer pessoas que me mostram os dois lados das coisas, pois acredito que tudo tem o seu lado bom e o seu lado ruim.
Nas horas vagas, assisto tv, escuto músicas, gosto de desenhar, de sair com amigos, etc.



LAM - Que experiência positiva você tem do seu período escolar? A escola contribuiu para a sua formação e tem preparado você para vida, para o trabalho e para o exercicio da sua cidadania?

Onde eu estudava, os professores não eram simplesmente professores, eram amigos. Sempre nos ajudavam.
Sou o que sou, não só pelas coisas que aprendi em casa, mas também pelas que eu aprendi na escola. Lá eu fui preparada para ser a melhor profissional da minha área, aprendi também que na vida nada cai do céu, tudo você precisa lutar para conseguir.Até para Deus te ajudar, você primeiro tem que tomar a iniciativa.

LAM - O que você mais detesta na escola? Existe algo que deveria mudar na escola?

A rivalidade das escolas particulares.
Não existe nada para mudar, ela já está perfeita, o que precisa mudar são os alunos. Eles precisam aprender que o estudo é tudo na vida de uma pessoa.



LAM - Como você ver seus amigos? O que você espera deles? As pessoas valem a pena ser consideradas ou a vida é uma onda mesmo?

Tenho poucos amigos, mas o pouco que tenho é o suficiente para eu ser feliz. Eles me completam.
"Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos." Vinícius de Morais.
É a frase mais perfeita que já li.



LAM - O que você acha do Brasil? É o melhor país do mundo ou precisa dar um jeito nessa troçada toda?

O Brasil é um país muito rico em beleza, mas não é o melhor país do mundo.
Precisa de muita mudança em várias áreas, mas mesmo com todos os problemas, é um país abençoado.



LAM - Qual a mensagem que já teve oportunidade de tomar conhecimento e gostaria de dividir com outras pessoas?

“Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus” (S. Mateus, cap. V, v. 8.).
A pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade. Exclui toda idéia de egoísmo e de orgulho. Por isso é que Jesus toma a infância como emblema dessa pureza, do mesmo modo que a tomou como o da humildade.
É por isso que quero sempre ter coração de criança, mesmo envelhecendo e amadurecendo, pois desse modo nunca perderei a minha pureza de alma e espírito.

Veja mais Juliana Paiva.



VEJA MAIS:
TODO DIA É DIA DA MULHER
8 DE MARÇO – DIA DA MULHER
LUIZ ALBERTO MACHADO NO CALDEIRÃO DO HUCK
FAÇA SEU TCC SEM TRAUMAS

quarta-feira, março 04, 2009

POETAS DE PERNAMBUCO



MADALENA CASTRO

AO LONGO DO CAMINHO

Da minha infância eu me lembro
Quando estava caminhando
À beira de um riacho
A vida fantasiando
No meu mundo tão pequeno
Levava o tempo sonhando

Fui crescendo, fui crescendo
E um dia descobri
Um mundo bem diferente
Daquele em que vivi
Acabou-se a fantasia
Aí então eu sofri

Mas dei a volta por cima
Vivi a realidade
Deixei meu interior
E vim morar na cidade
Comecei a estudar
Com muita garra e vontade.

Superei os obstáculos
Passei por necessidade
Até me acostumar
Com a vida aqui na cidade
Tentei, mas não consegui
Cursar uma faculdade

Porém não desanimei
Fui professora, enfermeira
Aprendi serigrafia
Tentei ser cabeleireira
Fiz curso de alta costura
Pra ser boa costureira

Com bastante sacrifício
A minha vida toquei
Encontrei um grande amor
E com ele me casei
Tive quatro lindos filhos
A quem eu me dediquei

Descobri que sou poeta
E poeta pode sonhar
Ir aos lugares distantes
Sem nem sair do lugar
Atingir o infinito
Ou ir ao fundo do mar
Pode viajar de carro
De trem ou de avião
Chegar até aonde for
A sua imaginação
O importante é que tenha
Sempre Deus no coração

Hoje sou dona de casa
Não posso ficar parada
Gosto de ler e escrever
E sou bastante apressada
Quem me fizer esperar
Deixa-me muito irritada

Com linguagem popular
Escrevo com o coração
Encontro tempo pra tudo
Deus conduz a minha mão
Em tudo que me rodeia
Encontro inspiração

Deus já me deu quase tudo
Que tinha para me dar
Deu saúde e inteligência
Que eu soube aproveitar
Uma bonita família
E um coração para amar

Agradeço ao meu bom Deus
Por ser sua protegida
Pelos amigos que tenho
Pela família querida
Pelos olhos que iluminam
Os meus caminhos da vida

NA FILA DO BANCO

Certa vez eu fui ao banco
Tinha uma fila danada
Por incrível que pareça
Eu não me senti cansada
Pois muita gente era alegre
E contava coisa engraçada
Bem ali rtã minha frente
Uma moçá'no chão sentou
A outra que estava ao lado
Também lhe acompanhou
E um história comprida
Nesta hora começou
"Menina eu vou te contar
O que me aconteceu
Arrumei um home bom'
Depois que José morreu
Mas quatro meses depois
O cara se escafedeu
Já me dissero que viro
Ele cum outra mulé
Com um shortinho de coto
E uma havaiana no pé
Tão feia de fazer dó
Parece que é da ralé
Vou me informar direitinho
Onde eles foram morar
Puxo ela pelos cabelos
Vou dá-lhe um pau de lascar
Depois agarro meu home
Nem dexo ele se explicar"
Mas adiante um rapaz
Contava a sua aventura
Dizendo: Amigo estou bem
Estou com uma criatura
Que jurou me sustentar
Pois é rica e tem cultura"
O outro então respondeu:
Amigo tenha cuidado!
Pois vida de gigolô
Nunca tem bom resultado
Quando ela encontra um mais jovem
Você é logo trocado
Mas quando isso acontecer
Já terei aproveitado
O que ela me oferecer
Aceitarei de bom grado
Mas meu gordo pé de meia
Já estará bem guardado"
E haja papo daqui
E haja papo de lá
E a fila quilométrica
Nada de se acabar
Quando de repente ouvi
Outra história começar
"Depois que fiquei viúva
Meu filho veio pra cá
Desempregado e com filho
Bebendo pra se daná
O pió foi que descobri
Que ele deu pra roubar
"E cadê a Mulher dele ?"
A amiga perguntou.
Disseram que a maldita
Muita gaia lhe botou
Com um velho caminhoneiro
Que pra longe a levou"
Lá à fila dos idosos
Uma senhora chegou
Pediu pra ficar na frente
Porém ninguém concordou
Ela disse: estou bem doente
Pensem nisso por favor...
Houve um grande falatório
Um cidadão se alterou
Dizendo; "eu também sou velho
E doente também estou
Se você ficar na frente
Eu juro que também vou"
A senhora bem tranqüila
Muito educada falou
"não precisa confusão
Fiquem calmos, por favor
Que eu já estou indo pra fila
Não está aqui quem falou"
Pra encurtar a história
Pra confusão aumentar
O gerente muito calmo
Se propôs a anunciar
Que neste exato momento
O sistema saiu do ar
Aí todos se agitaram
Muitos sentaram no chão
Um homem falou pra mim
Com uma cansada feição
É isso que acontece
Com o pobre nesta nação.
Um boy falou: isso é nada
Já estou acostumado
Quando eu sair deste banco
Noutro o lugar tá guardado
E quando eu sair de lá
O dia tem terminado
Com o Salário que ganho
Não devo me apressar
Quem corre cansa, amigo
E eu não quero me cansar
E aqui é tão divertido
Nem vejo o tempo passar"
Depois de 15 minutos
O sistema então voltou
Novamente a longa fila
Aos poucos se arrumou
Depois de quase duas horas
Foi que minha vez chegou
Assim que fui atendida
Eu saí dali pensando
No jeito que aquela gente
Suas histórias iam contando
Sem tomar nenhum cuidado
Com quem estava escutando
Não foram somente essas
As histórias que escutei
Daquela gente humilde
Nas horas que ali passei
Apenas só foram, essas
As que mais me interessei
Se observar os que contam
As histórias engraçadas
Você vê que são pessoas
Alegres, bem humoradas
Capazes até de fazerem
Sisudos darem risadas
Imaginem como seria
O tédio de se ficar
Esperando numa fila
Sem ter onde se sentar
Sem ouvir um comentário
Ou uma história popular.

BALADA DO AMOR

Eu só queria acordar pela manhã
Antes que o dia começasse a clarear
Para sentir a leve brisa no meu rosto
E o teu corpo adormecido contemplar

Também queria, toda noite a lua cheia
Cobrindo a terra com seus raios de luar
Em minha volta só o som de um violino
Me embalando e convidando pra te amar

Se esse meu sonho se tornasse realidade
Eu poderia meus problemas descartar
E ficaria só pensando em ti, somente!
Pois seu só vivo e viverei só pra te amar

Cada minuto do meu tempo é importante
A vida é bela e é preciso aproveitar
Toda ternura e os carinhos do meu bem
Inteiramente no aconchego do meu lar.

BEIJOS DE MÃE

Recebi beijos de amor
Beijos de amigos também
Mais puro que o da mamãe
Não recebi de ninguém

Beijos de amigos também
Tantas vezes recebi
Nem todos foram sinceros
Poucas emoções senti

Mais puro que o da mamãe
Com jeitinho angelical
No universo inteirinho
Não haverá beijo igual

Não recebi de ninguém
Só da minha mãe querida
Que me beijou com carinho
Para adoçar minha vida

AMOR DE MÃE

Só mesmo quem já é mãe
Tem o dom de compreender
Porque a mulher faz de tudo
Para um filho defender

Se for preciso ela briga
Mesmo até com os amigo
E entra em qualquer lugar
Sem ter medo dos perigos

E sofre mais do que ele
Se descobre está doente
A dor que um filho sentir
Primeiro é ela quem sente

Se por acaso alguém diz
Que seu filho é mau sujeito
Ela briga e continua
Amando-o do mesmo jeito

Somente ela é quem tem
Este amo puro e profundo
Porque é amor de mãe
Que é o amor maior do mundo

BALADA DO AMOR

Eu só queria acordar pela manhã
Antes que o dia começasse a clarear
Para sentir a leve brisa no meu rosto
E o teu corpo adormecido contemplar

Também queria, toda noite a lua cheia
Cobrindo a terra com seus raios de luar
Em minha volta só o som de um violino
Me embalando e convidando pra te amar

Se esse meu sonho se tornasse realidade
Eu poderia meus problemas descartar
E ficaria só pensando em ti, somente!
Pois seu só vivo e viverei só pra te amar

Cada minuto do meu tempo é importante
A vida é bela e é preciso aproveitar
Toda ternura e os carinhos do meu bem
Inteiramente no aconchego do meu lar.

MADALENA CASTRO – a poeta geminiana e pernambucana Madalena Castro, é sócia fundadora da Sociedade dos Poetas Vivos de Olinda – SPVO e da União dos Cordelistas de Pernambuco - Unicordel/PE. É também sócia efetiva da União Brasileira de Escritores - UBE-PE e extraordinária do Grupo Literário Celina de Holanda. Ela já publicou diversos livros e cordéis, além de participar de várias Antologias. Ela edita o blog Madalena Castro – Poetisa olindense.

VEJA MAIS:
POETAS DE PERNAMBUCO
8 DE MARÇO – DIA DA MULHER

terça-feira, março 03, 2009

DICAS TATARITARITATÁ



CENTENÁRIO PATATIVA DO ASSARÉ -Exposição temática sobre Patativa do Assaré De 07 de março a 05 de abril Curadoria e acervo de Assis Ângelo Exposição em homenagem ao poeta, com exemplares originais de seus livros e folhetos de cordel de Patativa do Assaré; publicações em jornais e revistas sobre o poeta, além de acervo fonográfico e fotográfico.Palestras Patativa do Assaré - vida e obra Com Assis Ângelo Sábado, dia 07 de março, às 20 horas Antônio Gonçalves da Silva, nacional e internacionalmente conhecido por Patativa do Assaré (1909-2002), um orgulho do Brasil. A xilogravura nos cordéis Com Valdeck de Garanhuns Sábado, dia 14 de março, às 20 horas O poeta de literatura de cordel, xilogravador e mestre de teatro de mamulengos, Valdeck de Garanhuns, falará sobre a presença da xilogravura nos cordéis, como ela se desenvolveu no Nordeste e se espalhou por todo o país. Patativa do Assaré e o reino da cantoria Com Assis Ângelo Participação especial de Sebastião Marinho e Luzivan Mathias Sábado, dia 21 de março, às 20 horas Será abordado o universo da cantoria, a partir de suas origens na Idade Média; suas características e principais representantes, lembrando da origem do poeta Patativa do Assaré como cantador repentista. Assis Ângelo será acompanhado pela dupla de cantadores repentistas Sebastião Marinho e Luzivan Matias, que apresentará algumas das inúmeras modalidades do repentismo, como Sextilha, Gemedeira, Gabinete, Martelo Malcriado, Galope Beira-Mar e Treze por Doze, sendo que muitas dessas modalidades estão praticamente extintas. Literatura de cordel para jovens e crianças e lançamento do livro: 'O Valente Domador' Com César Obeid Sábado, dia 28 de março, às17 horas O escritor e educador, por meio de contação de histórias, improvisos e dinâmicas com rimas, abordará a literatura de cordel destinada ao público infanto-juvenil. Haverá também o lançamento do livro 'O Valente Domador' da Editora Scipione que trata do uso dos animais pelos circos. Ideias para a discussão de uma poética popular Com Ricardo Azevedo Sábado, dia 28 de março, às 20 horas Pretende-se apontar algumas características do contexto sócio-cultural brasileiro, profundamente marcado pela cultura popular; discutir a hipótese da existência de diferentes padrões culturais, éticos e estéticos; lançar ideias a respeito do que poderia ser considerada uma visão de mundo popular para, finalmente, mostrar comparativamente certos temas e procedimentos com a palavra recorrente no discurso popular. Oficinas de xilogravura Com Nireuda Longobardi Quintas-feiras, dias 05, 12, 19 e 26 de março, das 16 às 18 horas Oficina de xilogravura com o tema 'Patativa do Assaré', com técnicas mistas. Os participantes produzirão gravuras relacionadas à literatura de cordel. Repentistas na hora do almoço Com Sebastião Marinho e Luzivan Mathias Sextas-feiras, dias 06, 13, 20 e 27 de março, das 12h30 às 13h10 Os cantadores farão versos improvisados ao som da viola, interagindo com a plateia. O improviso poético nordestino é uma rara demonstração de habilidade mental e riqueza de conteúdo e rimas. Cursos 30 vagas As inscrições podem ser feitas na recepção da Casa das Rosas, de terça a domingo, das 10 às 18 horas. Documentação necessária: 1 foto 3X4; xerox do RG; xerox do comprovante de residência. Taxa: R$ 10 Encantando Palavras Com Tatiana Fraga Terças-feiras, dias 17, 24 e 31 de março e 07 e 14 de abril. Das 16 às 17 horas Oficinas de poesia para crianças, trabalhando desde cantigas de roda, parlendas e trava-línguas, até poetas que se dedicaram à literatura infantil. As aulas acontecem com jogos, brincadeiras e a construção e desconstrução das palavras. Contação e construção de histórias em cordel Com César Obeid Quartas-feiras, dias 11, 18 e 25 de março e 01, 08 e15 de abril. Das 19h00 às 21 horas Como escrever e contar as diversas modalidades da literatura de cordel. Sextilha, setilha, oitavas, décimas etc. Dinâmicas de teatro de cordel trabalham a expressão corporal para o universo da poesia popular rimada e metrificada ser vivenciado plenamente. O poder mágico do imaginário em J.R.R. Tolkien Com Rosa Sílvia López Quintas-feiras, dias 12, 19 e 26 de março e 02, 09 e16 de abril. Das 19h30 às 21h30 Literatura de fantasia; A palavra em Tolkien: descoberta e subcriação; Magia na obra e no cotidiano; Transformações e conexões. Poesia visual Com Daniele Gomes de Oliveira Quintas-feiras, dias 12, 19 e 26 de março e 02, 09 e16 de abril. Das 19h30 às 21h30 O curso tratará das relações entre poesia e visualidade partindo da poesia concreta até a poesia intersemiótica. Projeto Escrevivendo com interface para blogagem Seres imaginários Coordenação: Karen Kipnis Com Gabriela Fonseca e Livia Barros (às terças-feiras), e Sandra Schamas com a participação de Mafuane Oliveira (aos sábados) Terças-feiras, dias 10, 17, 24 e 31 de março e 07, 14, 21 e 28 de abril. Das 19h30 às 22 horas Sábados, dias 07, 14, 21 e 28 de março e 04, 11 e 18 de abril. Das 10h30 às 13h30 Com a proposta de incentivar jovens e adultos a produzirem textos e a refletirem sobre sua maneira de escrever, a oficina pretende desmistificar o ato da escrita, transformando-o num processo centrado na reflexão sobre o assunto, a forma textual adotada, o papel do leitor e o encadeamento das ideias. Assim, o objetivo do Projeto Escrevivendo é, também, tornar os autores leitores críticos de seus próprios textos. Dança e poesia: Manoel de Barros Com Cia. Micrantos Sábados, dias 07, 14, 21 e 28 de março e 04, 11, 18 e 25 de abril. Das 11 às 13 horas Encontros com o objetivo de realizar pequenas criações inspiradas em poesias de Manoel de Barros, especialmente aquelas que compõe a trilogia Memórias Inventadas. Covers delirantes Oficina de reescrituras e criações Com Allan Mills Sábados, dias 21 e 28 de março e 04, 11, 18 e 25 de abril, das 14 às 16 horas As reescrituras é uma forma de escrita que, posterior à leitura de um livro, gera - por simulação, paródia ou homenagem - um novo poema ou uma série de poemas que transversalizam essa arquitetura, sua paisagem lírica ou algum espaço do dito devir textual. Uma reescritura não é, segundo HH Montecinos, "nem cópia, nem citação, nem colagem, e sim a criação de um texto absolutamente distinto ao que se reescreve". Programação Biblioteca circulante Exposição bimestral de livros do acervo de Haroldo de Campos Poesia Visual Curadoria de Cid Campos Poesia e Música - uma palestra show de Cid Campos Quarta-feira, dia 25 de março, às 19 horas Será apresentado o percurso de alguns dos trabalhos elaborados e desenvolvidos em seu estúdio desde 1992. Também estarão expostos livros da Biblioteca de Haroldo de Campos voltados ao tema, selecionados pelo palestrante.Contações de história Com Mafuane Oliveira e Marília Maia Histórias de cordel - sábados, dias 07 e 21 de março, das 14h30 às 15h30 Histórias Monteiro Lobato - sábados, dias 04 e 18 de abril, das 14h30 às 15h30 Uma viagem através da narrativa de quatro belas histórias da cultura popular brasileira. Com delicadeza e imaginação, a narração será um momento mágico que vai encantar crianças e adultos. Poesia aperitivo Com Frederico Barbosa Quartas-feiras, dias 04, 11, 18 e 25 de março e dias 01, 08, 15 e 22 de abril, das 12h30 às 13h Em meia hora de aula durante o almoço, momentos decisivos da história da literatura brasileira serão abordados em oito encontros vibrantes capazes de despertar o interesse do leitor pelas obras. Gregório de Matos - dia 04/03 Alvares de Azevedo - dia 11/03 Castro Alves - dia 18/03 Augusto dos Anjos - dia 25/03 Manuel Bandeira - dia 01/04 Carlos Drummond de Andrade - dia 08/04 João Cabral de Melo Neto - 15/04 Augusto de Campos - 22/04 Meio-dia moviola Quintas-feiras, dias 05, 12, 19 e 26 de março e 02, 09, 16 e 23 de abril, das 12h30 às 13 horas Uma cena diferente na hora do almoço. Exibição de curtas-metragens contemplados pelo Prêmio Estímulo de Curta-Metragem, promovido pela Secretaria do Estado da Cultura, nos anos de 2006 e 2007. Programação dia da mulher Dia 08 de março, domingo 17 horas Sarau Chama poética com o tema do feminino, com os músicos Mario Feres, Paulinho Vieira e Vânia Lucas e declamação de poemas por Rita Alves, Francesca Cricelli e Flora Figueiredo. Direção e organização: Fernanda de Almeida Prado. 19 horas Chama poética especial: Maysa A cantora mezzo soprano Maria Dionete interpreta canções do repertório de Maysa, acompanhada no teclado por Silvia Regina Órfão. Dia 12 de março, quinta-feira, às 20 horas Consultório sentimental e a literatura Palestra com Betty Milan No passado, a educação sentimental era feita no contexto da família e por meio da literatura. Hoje, a educação na família é menos eficaz e a literatura é uma referência para poucos. As pessoas são deseducadas em relação ao próprio sentimento. A prática do consultório sentimental se inscreve numa tradição inaugurada por Sêneca e tem em Nelson Rodrigues o seu principal representante no Brasil. Ação educativa Visitas monitoradas para terceira idade
Quintas-feiras, dias 12 de março e 16 de abril, das 16 às 17h30 Durante o primeiro semestre de 2009, uma vez ao mês, Neuza Guerreiro de Carvalho realizará visitas monitoras na Casa das Rosas para grupos de terceira idade. Temas como a arquitetura e a história da Casa das Rosas serão abordados durante um bate- papo acompanhado de um delicioso chá. Visitas educativas na Casa das Rosas Visitas agendadas (mínimo 10 pessoas) De terça a sexta-feira, das 10 às 12 horas e das 14 às 16 horas Visitas espontâneas De terça a sexta-feira: horários diversos Aos sábados às 12 horas e às 16 horas Mais informações na recepção da Casa das Rosas Serviço Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura Avenida Paulista, 37 Tel.: (11) 3285.6986 www.poiesis.org.br/casadasrosas Horário de funcionamento De terça-feira a sexta-feira, das 10 às 22 horas Sábados e domingos, das 10 às 18 horas (com possibilidade de alteração de acordo com a programação).Convênio com o estacionamento Patropi - Alameda Santos, 74 Dúvidas, críticas e sugestões: contato@poiesis.org.br



ARTEMIO IGLESIAS EXPOSIÇÃO DE PINTURA de 5 a 28 Março | Biblioteca Municipal D. Dinis Inauguração 5 de Março, às 18h00 com a presença de Fernando Aguiar ARTEMIO IGLESIAS, designer e gravador nascido em Havana, para além de exímio desenhador, é autor de uma personalizada obra poético-visual onde associa as letras e as palavras às técnicas próprias da pintura e à correspondente expressividade cromática, criando obras de uma grande densidade visual. À força da cor, Artemio adiciona, por vezes, os relevos próprios da gravura, utilizando objectos comuns como chaves, clips, botões, compassos, agulhas, escantilhões, etc., e outros nem tanto como, por exemplo, uma espinha de peixe, o que dá uma especial energia às suas obras, com um cunho vincadamente pessoal. Praticamente desconhecido em Cuba como poeta visual, Artemio Iglesias tem visto os seus trabalhos divulgados no exterior, nomeadamente em revistas internacionais como “Rampike” e “Steak Haché” (Canadá), “EL Tejedor de Palabras” e “Veneno”(Espanha), “Palavra em Mutação”, “Bíblia”, “Big Ode” e “Bicicleta” (Portugal), “Blackbird” e “Indefinite Space” (Estados Unidos da América), “La Hoja M” (Argentina), “Anartiste” (França), “Delta” (Japão), e na antologia espanhola “Gramma Visual”, assim como em exposições internacionais, principalmente no Brasil. Participou em várias Bienais de Artes Gráficas no Japão, Alemanha, Eslováquia, Polónia, Espanha, etc., onde foi distinguido com diversos prémios. Em 2005 recebeu o Prémio Nacional de Artes Gráficas de Cuba. Info: Fernando Aguiar Biblioteca Municipal D. Dinis Rua Guilherme Gomes Fernandes (Fim) – Odivelas Tel 21 932 07 70 Fax 21 932 80 04 www.cm-odivelas.pt http://www.cm-odivelas.pt/Extras/BMDD/como_chegar.asp

O RECIFE DOS MEUS SONHOS – Em 12 de março, por ocasião do 472º aniversário do Recife, em evento programado para as 19h00, no auditório da Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco, festejando o 13º aniversário da Academia Recifense de Letras (ARL), o acadêmico Edvaldo Arlego lançará o livro 'O Recife dos meus sonhos'.



SEMANA DA POESIA - A segunda edição da Semana da Poesia-RJ acontecerá de 13 a 21 de março. II Semana da Poesia, no Rio de Janeiro. Info: Luiz Fernando Prôa www.almadepoeta.com & Cairo de Assis Trindade Oficina de Criação Literária



NOITE DE POESIA – O encontro literário Noite de Poesia será realizado dia 06 de março de 2009, em Goiânia/GO. O segundo encontro na capital do Goiás fará um resgate ao verdadeiro carnaval, desde sua origem com o Entrudo até a sua popularização como a grande festa brasileira. Uma das novidades é a filmagem do I DVD Noite de Poesia, que será distribuído gratuitamente pela internet. O palco da Noite de Poesia, organizado pelo portal literário Memento Mori (http://www.mementomori.com.br) está aberto também aos poetas que estiverem presentes. Envie um E-Mail com alguns trabalhos e uma breve biografia para contato@noitedepoesia.com.br e participe conosco. Inscrições até 04 de março de 2009. Entrada é franca! II Noite de Poesia Goiânia-Brasília 06 de março de 2009 - 19h Auditório do Básico - Área II Universidade Católica de Goiás - Goiânia/GO http://www.noitedepoesia.com.br Info: Fátima Paraguassú

TROCANDO LEITURAS- As bibliotecas Públicas Epifânio Dória e Aglaé Fontes (Rua Drº Leonardo Leite s/n, bairro 13 de Julho - anexas) desenvolvem intercâmbio de livros com o Projeto 'Trocando Leituras', que tem o objetivo de possibilitar a troca de livros usados e novos, além de revistas e gibis. O acervo formado por doações ao espaço de leitura, disponibiliza livros didáticos, de conhecimentos gerais e técnicos, literatura brasileira, literatura infanto-juvenil e infantil, além das histórias em quadrinhos e revistas para pesquisa. Para entrar em contato com a biblioteca acesse : http://www.sec.se.gov.br/ .

PONTE DE VERSOS – VANISA MORET SANTOS, LÉO FERREIRA e KARLA SABAH Segunda-feira, 16/03/2009 das 20h30 às 23h30 Livraria da DaConde Rua Conde de Bernadotte, 26 lj. 125 Leblon | Rio de Janeiro | RJ - Vanisa Moret Santos é natural de Petrópolis-RJ. Formou-se em Letras e em Psicologia. Tem especialização em Língua Inglesa pela UERJ (1997) e em Psicologia clínica pela PUC-RJ (2005). Atualmente, cursa o mestrado em Psicanálise na UERJ onde trabalha a conexão arte-psicanálise através de sua pesquisa sobre Salvador Dalí. É autora de Fragmentos (2003), uma coletânea de poemas, contos e pensamentos, e do livro de poemas curtos, As faces do tempo (2008). Foi professora de inglês por vários anos, mas hoje trabalha como psicanalista e tradutora. Participa com frequência dos eventos e seminários de Formações Clínicas do Campo Lacanio - RJ, sendo membro da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano - Brasil. Léo Ferreira, carioca de 1959, é compositor, cantor, violonista e poeta. Lançou, na década de 80, Canto de Rua, uma coletânea de poetas novaos, pela editora José Olympio. Recebeu menção honroso no Concurso José Lins do Rego de Poesia (Governo da Paraíba). Lançou também o CD Instranferível Tigre, em que mistura poesia e música, no CEP 20.000, com Chacal. Suas composições misturam textos próprios a de Ferando Pessoa, Waly Salomão, Carlos Drummond de Andrade e Torquato Neto. Lançou o CD O Lado Mau, que faz parte de seu livro Lavra Engenho Palavra, lançado em 2007. Tem um novo livro a caminho, com o mesmo título de seu CD: Intransferível Tigre. Karla Sabah, cantora, cineasta, atriz e poeta, estreia seu primeiro livro de poesia, Rainha de Sabah, como prêmio pelo 1º lugar na categoria inéditos do 2º Concurso Carioca de Poesia da ABRACI - Associação Brasileira Sociocultural de Apoio à Cidadania, com o apoio da FENAC - Federação Nacional de Cultura, e da ABL - Academia Brasileira de Letras em dezembro de 2008. Info: Thereza Christina Motta coordenadora

A CULTURA E A ARTE EM PERNAMBUCO – O programa 'A cultura e a arte em Pernambuco', coordenado pelos escritores Cássio Cavalcante e Ana Maria César, traduz uma parceria da UBE-PE com Livraria Cultura. As sessões mensais ocorrem no auditório daquela livraria, no Paço Alfândega. O calendário do projeto 'A cultura e a arte em Pernambuco' definiu que dia 09 de Março será homenageado Frederico Pernambucano de Melo.

I MOSTRA BRASILEIRA DE POESIA DE MARICÁ - será no próximo dia 12 de março a abertura da I Mostra Brasileira de Poesia de Maricá, contando com a presença do poeta maranhense Ferreira Gullar. Info: Beth Araujo

MOVIPOESIA EM CORDEL - Na próxima 5ª feira, dia 05 de março, em evento programado para as 18h00, no Gabinete Português de Leitura de Pernambuco, em Recife, o Movimento Viva Poesia lançará a Coleção Movipoesia em Cordel.

VEJA MAIS:
GUIA DE POESIA
CRÔNICA DE AMOR POR ELA

domingo, março 01, 2009

ENTREVISTA: KATIA VELO



KATIA VELO – A artista plástica, fotógrafa e professora paulista Kátia Velo, é bacharel em Letras pela Faculdade Anhembi/Morumbi-SP e é especialista em História da Arte Moderna e Contemporânea. Já participou de várias mostras, como a 3ª. Muestra Internacional de Arte Postal Ciudad de Ceuta, Espanha e a da Fundácion Romulo Raggio, Buenos Aires Argentina, realizou inúmeras exposições e atuou como Chefe de Divisão de Artes Plásticas e Música, na Secretaria da Cultura (SJP),em 2004. E desde 2005, atua como Professora de Artes Plásticas e História da Arte. Participou de exposições coletivas em Buenos Aires no Museu Rômulo Raggio e na Espanha, no Museu de Ceuta. Possui obras em acervos particulares e em órgãos oficiais: São Paulo, Portugal, Argentina e Polônia. Recebeu em 2006, Diploma em reconhecimento ao trabalho desenvolvido na área de jornalismo, na Câmara Municipal de Vereadores de SJP Freqüenta desde de 2006 o Atelier de Arte Contemporânea Edilson Viriato. É Conselheira Consultiva e Artística da ASCAR (Associação Cultural e Artística São-Joseense) e Vice-Diretora de Marketing da APAP Atua como colunista de arte no site GuiaSJP, www.guiasjp.com.br/katiavelo e também do Arte Paranaense http://www.arteparanaense.art.br/katia.html Ela reside desde 2003, em São José dos Pinhais, no Paraná.

Gentilmente ela concedeu esta entrevista pra gente.

LAM - Katia, inicialmente vamos para a pergunta de praxe: como foi e quando se deu seu encontro com as artes plásticas?

Desde pequena, sempre me encantei por cores, aos seis anos usava canetinhas SILVAPEN para pintar o rosto, naquela época (década 70), usava-se maquiagem carregada “tipo mexicana” que eu achava linda! Além disso, o meu maior sonho de consumo infantil, era uma caixa de lápis de cor de 24 unidades. Hoje isto pode até parecer banal, mas quando via uma era como se visse uma caixa de jóias. No entanto, na minha cabeça, ser artista plástica era apenas um sonho. Tanto que quando fiz um teste vocacional e o resultado foi artista, até estranhei, pois pensava que era coisa de artista de TV rsrsrs. Ao lecionar língua portuguesa e literatura, sempre buscava trabalhar em conjunto com a professora de artes. Já, no início do ensino fundamental nas 5ª. e 6ª. séries um dos meus principais objetivos era estimular a leitura. Para isso, levava-os em bibliotecas (até nas Bienais de Livro). Depois, fazia círculos para comentar sobre a leitura e finalizava motivando os alunos a criarem um livrinho de autoria deles. E, toda a parte de ilustração, capa, etc., era elaborada junto com a professora de artes. Mas, somente quando vim morar no Paraná e que tive tempo para dedicar-me às artes visuais.



LAM - Quais as influências da infância e adolescência que marcaram e determinaram a sua formação artística?

Como disse anteriormente, não pensei em ser artista plástica desde pequena. Não havia (e não há) ninguém da família ligada às artes. Mas, isto certamente é intrínseco a nós. O olhar, o sentir, o pensar do artista é diferente. E, a minha opção pela literatura, talvez (inconscientemente) se dá pela proximidade entre as artes.



LAM - Você já foi selecionada para participar de diversos eventos, salões, mostras, exposições, entre outras atividades na área de arte visual, trazendo uma arte figurativa e abstrata, expressa por meio de uma diversidade de séries e técnicas. Como a artista flagra o seu estar no mundo e o seu olhar na vida?

Participei, principalmente de exposições coletivas e 10 individuais em 05 anos. Não acho que isto seja tão positivo. Inicialmente, queria pintar de tudo, até pelo meu temperamento bastante agitado. E quando digo pintar tudo não exagero, pois pintava telas, parede, móveis, roupas, etc. além de muita variação com relação à técnica (óleo, acrílica, mista) e estilo (de acadêmico a contemporâneo). Somente quando comecei a fazer workshops e orientação com o Edilson Viriato é que comecei a buscar uma reflexão e questionamento sobre o meu trabalho e mais sobre mim mesma.



LAM - Como dito anteriormente, você transita por uma diversidade técnica, se sobressaindo os arabescos e, agora, os mini-arabescos. O que levou a atuar nesta modelo?

Esta diversidade técnica foram “tentativas”, ensaios. A melhor definição para estes “passeios artísticos” foi dada por João Coviello
Mestre em Filosofia, Especialista em História da Arte pela PUC-PR "Katia Velo não transita entre a pintura figurativa e a abstrata por acaso. Nem passa por várias técnicas, como a fotografia, também por acaso. Há uma vontade artística explícita que a faz superar os limites dos suportes, com o objetivo de satisfazer suas necessidades de expressão, que já foi definida, pela própria artista, como catarse, no sentido clássico.” . Meus últimos trabalhos da série “ARABESCOS” possuem forte apelo ornamental através de uma linguagem simbólica significativa. Busco encantar o espectador transmitindo alegria e emoção. Essas obras foram inspiradas na arte oriental e também indubitavelmente nas obras de Beatriz Milhazes. São pinturas de motivos florais em forma de caleidoscópios feitos através de uma combinação inusitada de curvas, caracóis, flores e rococós. Já os mini-arabescos são trabalhos de pequeno tamanho (10x10) para duas exposições coletivas que estão acontecendo. Uma no Hotel Mabu e outra na Galeria Solar do Rosário, ambas em Curitiba.



LAM - Você também é fotógrafa que transita por inúmeras expressões técnicas, observando-se a natureza flagrantemente gestual e participativa na visualização de suas séries. Onde o olhar da artista se distingue na fotografia e na arte plástica?

A fotografia foi outro encontro em minha vida. Embora eu ame fotos, tenho caixas e caixas de fotografias, eu a via assim: uma maneira de registrar um momento em família. No entanto, na pós-graduação na EMBAP/PR (Escola de Música e Belas Artes do Paraná) dois professores me introduziram a este mundo visual, Mario Ramiro e Tadeu Chiarelli ambos professores da USP – Universidade de São Paulo. Para compreender um pouco melhor esta nova postura diante da fotografia, utilizo-me da frase de Susan Sontag do livro Ensaios sobre a fotografia: “... e naquele exato momento e numa fração de segundo, você organiza as formas que vê para expressar e dar sentido ao evento. É uma questão de pôr o cérebro, o olho e o coração na mesma linha de visão. É uma forma de viver.” Os dois trabalhos, diferenciam-se em tudo: tanto na criação, o processo e o resultado. Na pintura, uso e abuso das tintas, faço e refaço inúmeras vezes. Eu busco a pintura. É um parto fórceps. Já na fotografia é o resultado é leve, “clean” e é ela que me encontra. É como adorar um filho. Mas, nos dois casos existe o amor incondicional, como geralmente é o amor de mãe.



LAM - Você é formada em Letras e especialista em Arte Moderna e Contemporânea, atuando como professora na área. Observa-se, portanto, se tratar de uma pesquisadora. Há conciliação entre a atividade artística e a prática pedagógica? Você acredita que a arte pode contribuir para a educação? Como você a dicotomia brasileira entre a arte e a educação?

No meu caso, há total conciliação, pois atualmente ministro aulas de pintura em telas, portanto é algo realmente direcionado para as artes plásticas. Eu levanto a bandeira da tríade: educação/cultura/esporte como instrumento efetivo para uma sociedade mais justa, saudável e ética. E, em minha opinião a arte é primordial.

É a arte e a ciência. Retire-as ou desgaste-as
e não existirá mais império. O império segue
a arte e não vice-versa, como supõem os ingleses.

(William Blake)



LAM - Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB - vigente, a introdução dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN e a adoção dos Temas Transversais no processo educativo brasileiro possibilitarão uma maior adoção da arte e a sua contribuição no processo educacional brasileiro?

Tenho 14 anos de experiência ministrando aulas em escolas da rede pública (professora concursada) e privada. A LDB e a inclusão dos temas transversais já estão em pauta desde que iniciei a carreira. No entanto, devido a uma infinidade de questões, a realidade ainda é bem diferente do que está no papel. O mesmo acontece com a inclusão de crianças e jovens com necessidades especiais. Tudo o que está escrito é lindo, mas... A arte definitivamente possui um efeito transformador.

LAM - Como você vê o ensino da arte na escola brasileira?

Acredito que seja necessária uma grande mudança: começando pela valorização dos professores, através de uma reformulação do ensino, desde a capacitação dos professores, melhores condições de trabalho e salários mais atrativos. Os melhores profissionais não retornam para a sala de aula e isto continuamente, “empobrece” o meio acadêmico. Sem isto, não adianta introduzir bons projetos, como atualmente sobre a obrigatoriedade do ensino musical. Naturalmente sou uma pessoa muito otimista, mas com relação à escola brasileira, não dá mais para “enrolar” e transformar a profissão o professor em mártir. É preciso agir, agora, para que tenhamos algum resultado daqui a vinte anos.



LAM - Você, além das atividades artísticas e educativas, ainda atua no campo do Jornalismo, desenvolvendo trabalhos na área. Fale a respeito de como isto ocorre e de que forma você tem conciliado suas diversas atividades com a de colunista, observando como você vê o advento da internet e se esta tem contribuído para a difusão do seu trabalho e intercâmbio.

Com minhas colunas culturais (GuiaSJP, Inconfidencial e Arte Paranaense), consigo unir duas paixões - escrever e as artes. Atualmente a internet exerce grande poder de comunicação, antes pertencente apenas aos jornais e, principalmente, à televisão. No entanto, o número de usuários da internet tem aumentado de forma extraordinária, devido a sua rapidez, acessibilidade e globalização. O retorno que tenho obtido com a atuação como colunista é extraordinário para mim. E, certamente, o meu trabalho é visto por um número muito maior de pessoas. Além do prazer de divulgar trabalhos maravilhosos de outras pessoas. Os resultados são muito positivos. Foi citar apenas dois exemplos recentes: por causa dos sites, fui convidada (12/02/08) a fazer parte da banca de professores de um TCC - Trabalho de Conclusão de Curso na ESEEI – Escola Superior de Estudos Empresariais e Informática onde o tema era Sites Culturais. O outro é conceder esta entrevista a você (20/12/08)!!!



LAM - Quais os projetos que você tem por perspectiva de realização?

Adoro viajar (dentre as viagens que fiz no Brasil, várias cidades no Rio Grande do Norte, Ceará, Bahia, Minas Gerais, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Espírito Santo e está faltando PERNAMBUCO!!! e outros países: EUA, México, Portugal, Espanha, França, Holanda, Alemanha, Itália, Suíça, República Checa, etc. ) e, portanto, desejo viajar ainda muito, muito mais. Atualmente meu sonho de consumo é ser um Zeca Camargo rsrsrs. Além disso, acredito que as viagens influenciaram meu trabalho como por exemplo as Bienais de São Paulo e a Documenta de Kassel na Alemanha. Meus planos para os próximos anos são: aperfeiçoar meu trabalho, conseguir que o projeto de lei de incentivo que fiz em São José dos Pinhais seja aprovado, fazer mestrado em arte (depois doutorado), ter uma coluna impressa, ter um programa de TV, ser professora universitária, ter um ateliê próprio com galeria de arte (em um lugar bem charmoso), fundar uma ONG ou similar onde através da arte eu possa (juntamente com outras pessoas) ajudar pessoas carentes.

Essa a Katia Velo, obrigado.

VEJA MAIS:
ENTREVISTAS
CRÔNICA DE AMOR POR ELA